sábado, 19 de fevereiro de 2011

Contemporâneos 9.







Estou onde os atalhos não existem.

É preciso seguir em frente,

Adiante apesar das circunstâncias.


Assumindo o trabalho tratei dos riscos,

O amor passou a ser hipótese,

Será a esperança apenas uma miragem?


Assim tratam-me as brumas.

Como espumas a margem de um limite,

Entregam-me ao abandono.


Meu coração impertinente reclama!

Não aceitará fácil o descaso.

A oportunidade será seu alvo no contexto.


Então no cruzamento quando o sinal abrir;

O fruto da ocasião pode ser um sorriso,

Alguém também sem rumo pode ter me encontrado.

Gerson F. Filho.

Um comentário:

  1. Especial tua poesia.
    Reflete para uma liberdade consciente.
    Geande abraço

    ResponderExcluir